Persuasão no Texto Argumentativo

Todo texto argumentativo tem por natureza o emprego da persuasão, uma vez que seu principal objetivo é convencer, induzir, aconselhar e modificar um determinado comportamento. Predominam fundamentalmente na argumentação a defesa de uma tese e a tentativa de validar a ideia defendida e refutar posicionamento contrários.

Há, na tradição escolar ligeira confusão entre os conceitos de texto argumentativo e texto dissertativo. A dissertação é um texto de cunho explicativo, cuja intenção é abordar e analisar um determinado tema ou assunto. Nela não há, necessariamente, a intenção de modificar o ponto de vista do interlocutor. Ainda que os exames vestibulares apresentem, na maioria das vezes, suas propostas como dissertativas, espera-se do vestibulando, nestas provas, posicionamento crítico e defesa de um determinado ponto de vista em relação a uma situação-problema apresentada. Pode-se dizer que as redações solicitadas nesses concursos são dissertações argumentativas, pois exigem o emprego da persuasão.

No entanto, a argumentação não está restritas às ‘ dissertações escolares ‘, uma vez que em quase todo o processo de comunicação há o desejo implícito de convencer o interlocutor daquilo que se diz. Propagandas, discursos amorosos, editoriais e resenhas são alguns exemplos de textos argumentativos e, cada um à sua maneira, empregam a persuasão como eixo básico do processo discursivo.

→ Leia: Exemplos de Texto Argumentativo

O roteiro da persuasão

Na introdução, no desenvolvimento e na conclusão do texto argumentativo espera-se que o redator o leitor de seu ponto de vista. Alguns recursos podem contribuir para que a defesa da tese seja concluída com sucesso. Abaixo veremos algumas formas de introduzir um parágrafo argumentativo:

Declaração inicial: É uma forma de apresentar com assertividade e segurança a tese.
Exemplo: “A aprovação da lei das Cotas para negros vem reparar uma divida moral e um dano social. Oferecer oportunidade igual de ingresso no Ensino Superior ao negro por meio de politicas afirmativas é uma forma de admitir a diferença social marcante na sociedade e de igualar o acesso ao mercado de trabalho.”

Interrogação: Cria-se com a interrogação uma relação próxima com o leitor que, curioso, busca no texto resposta as perguntas feitas na introdução.
Exemplo: “Por que nos orgulhamos da nossa falta de consciência coletiva? Por que ainda insistimos em agir como ‘espertos’ individualistas?”

Citação ou alusão: Esse recurso garante à defesa da tese caráter de autoridade e confere credibilidade ao discurso argumentativo, pois se apoia nas palavras e pensamentos de outrem que goza de prestigio.
Exemplo: “As pessoas chegam ao ponto de uma criança morrer e os pais não chorarem mais, trazerem a criança, jogarem num bolo de mortos, virarem as costas e irem embora’. O comentário do fotógrafo Sebastião Salgado sobre o que presenciou na Ruanda é um chamado à consciência pública.”

Exemplificação: O processo narrativo ou descritivo da exemplificação pode conferir à argumentação leveza a cumplicidade. Porém, deve-se tomar cuidado para que esse recurso seja breve e não interfira no processo persuasivo.
Exemplo: “Noite de quarta-feira nos Jardins, bairro paulistano de classe média. Restaurante da moda, frequentado por jovens bem-nascidos, sofre o segundo ‘arrastão’ do mês. Clientes e funcionários são assaltados e ameaçados de morte. O cotidiano violento de São Paulo se faz presente.”

Roteiro: A antecipação do que se pretende dizer pode funcionar como encaminhamento de leitura da tese.
Exemplo: “Busca-se com essa exposição analisar o descaso da sociedade em relação às coletas seletivas de lixo e a incompetência das prefeituras.”

Enumeração: Contribui para que o redator analise os dados e exponha seus pontos de vista com mais exatidão.
Exemplo: “Pesquisa realizada pela Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo aponta que as maiores vítimas do abuso sexual são as crianças menores de 12 anos. Elas representam 43% dos 1.926 casos de violência sexual atendidos pelo Programa Bem-Me-Quer, do Hospital Pérola Byington.”

Causa e consequência: Garantem a coesão e a concatenação das ideias ao longo do parágrafo, além de conferir caráter lógico ao processo argumentativo.
Exemplo: “No final de março, o Estado divulgou índices vergonhosos do Idesp – indicador desenvolvido pela Secretaria Estadual de Educação para avaliar a qualidade do ensino (…). O péssimo resultado é apenas consequência de como está baixa a qualidade do ensino público. As causas são várias, mas certamente entre elas está a falta de respeito do Estado que, próximo do fim do 1º bimestre, ainda não enviou apostilas para algumas escolas estaduais de Rio Preto.”

Sintese: Reforça a tese defendida, uma vez que fecha o texto com a retomada de tudo o que foi exposto ao longo da argumentação. Recurso seguro e convincente para arrematar o processo discursivo.
Exemplo: “Quanto a Lei Geral da Copa, aprovou-se um texto que não é o ideal, mas sustenta os requisitos da Fifa para o evento. O aspecto mais polêmico era a venda de bebidas alcoólicas nos estádios. A lei eliminou o veto federal, mas não exclui que os organizadores precisem negociar a permissão em alguns Estados, como São Paulo.”

Proposta: Revela autonomia critica do produtor do texto e garante mais credibilidade ao processo argumentativo.
Exemplo: Recolher de forma digna e justa os usuários de crack que buscam ajuda, oferecer tratamento humano é dever do Estado. Não faz sentido isolar para fora dos olhos da sociedade uma chaga que pertence a todos.”

O que estudar para se aprofundar mais:

• Para produzir textos argumentativos convincentes é necessário tempo de reflexão para pensar no assunto e organizar sua tese e sua defesa;
• Pense no tipo de introdução mais adequado à defesa de sua tese, verifique se é possível encontrar argumentos que deem continuidade à introdução;
• Elabore um plano argumentativo. Em seu projeto separe os argumentos por tipo: enumeração, causa e consequência, exemplificação, citação, etc.;
• Faça um rascunho antes de elaborar seu texto definitivo. Observe as relações estabelecidas e se certifique se em seu rascunho não ocorreram alguns problemas que inviabilizam o processo argumentativo;
• Empregue conectivos que garantam a coesão textual.

Faça um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *