Crédito Universitário – Dicas

Em um país onde a educação de qualidade é precária e as vagas nas instituições públicas de ensino superior estão bem abaixo da demanda da população o jeito é, para a maioria dos estudantes, entrar em uma universidade particular – e pagar muito caro por um bom ensino.

Quem não tem condições de lidar com as altas mensalidades das universidades particulares pode apelar para o crédito universitário, uma espécie de financiamento estudantil onde as parcelas são pagas levemente, com juros baixos e, podem começar a ser pagas, inclusive, depois do término do curso universitário.

Como funciona Crédito Universitário

O objetivo dessa linha de crédito é fazer com que o estudante possa fazer a sua faculdade de maneira tranquila, em um processo onde o dinheiro não falte para as despesas básicas – uma vez que, como todo mundo sabe, os salários de estagiário no Brasil beiram o absurdo, de tão baixos. Existem diversos bancos públicos e privados que operam com linhas de crédito para financiamento estudantil no ensino superior, de várias formas diferentes. A maioria deles, no entanto, com o mesmo processo na escolha dos agraciados com o crédito universitário.

dinheiro

Para requerer esse tipo de benefício através do financiamento estudantil operado pelo governo, por exemplo, o estudante deve comprovar renda familiar baixa, que o impossibilite de pagar as mensalidades do centro universitário, mas que o permita a pagar as parcelas do tão conhecido Fies. Além disso o estudante deve apresentar ao governo um fiador, que vai respaldar o pagamento da faculdade através da garantia de renda adicional. O fiador, nesse caso, deve ser, impreterivelmente, um parente próximo.

Como conseguir Crédito Universitário

Nos bancos privados é mais fácil passar pelo crivo socioeconômico, já que a burocracia nessa área não é tão intensa quanto nas instituições financeiras públicas. Mas, de qualquer forma, a garantia do pagamento do financiamento estudantil, através do crédito universitário, deve ser feita de alguma forma. Nesses casos os bancos pagam todo o montante das mensalidades para a universidade e, a partir daí, o estudante recebe faturas menores do que a mensalidade do curso escolhido, porém com juros embutidos e parcelas a perder de vista.

creditouniversitario21A ideia central desse tipo de incentivo, além de promover a educação, é fazer com que o dinheiro não seja um impeditivo para que alguém possa escolher a sua carreira. Ainda que o crédito universitário tenha a mesma lógica do financiamento de um carro (você recebe os facilitadores, mas ao final do processo pagou o dobro do valor do veículo) o que conta em seu processo de juros é que a pessoa esteja apta a fazer o pagamento ao banco (incluindo os impostos) quando realmente tiver dinheiro para tal. Ou seja: com seu trabalho pós-formatura.

Esse facilitador também acaba servindo de fator motivacional para que as pessoas se dediquem aos estudos a fim de conseguir um bom emprego, uma vez que depois da conclusão da faculdade não há conversa que impeça o estudante de pagar todo o seu débito. E, para isso, é preciso que ele tenha consolidado uma boa iniciativa trabalhista, de preferência dentro da área de atuação referente ao curso que ele pagou para estudar.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.